Parque Botânico da Mata do Carrascal contará com “7 estações” diferentes que convidam à sua descoberta

A Mata do Carrascal será transformada num Parque Botânico. Este é um projeto que a Câmara Municipal de Alvaiázere já estuda há algum tempo e, apesar de Mata do Carrascal ter sofrido uma intervenção no passado, referente à zona do parque de merendas, estruturas de apoio e balneários, Célia Marques, presidente da Câmara Municipal de Alvaiázere, explicou ao “Alvaiazerense” que considera que a Mata tem muito mais para oferecer do que apenas aquele espaço. “É preciso requalificar e dotar a Mata de novas infra-estruturas, reestruturar tudo aquilo que a Mata já oferecia, no sentido de ‘obrigar’ quem a utiliza a usufruir muito mais do que apenas aquele espaço específico onde está a zona do parque de merendas”.

Foi com este propósito que o Município elaborou um projeto para transformar a Mata do Carrascal num Parque Botânico. “É um projeto muito interessante e completo e até o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) se envolveu, estando a dar alguns apoios, pois vê nele um grande potencial no que se refere à promoção das espécies do sítio Sicó Alvaiázere”.

O projeto prevê a criação de “sete estações” que convidam os visitantes a percorrer todo o espaço da Mata e a cada estação haverá um tema concreto e uma especificidade. Por exemplo, “haverá uma zona onde podemos saber mais acerca das espécies que lá existem”, outra que será “um campo de experimentação para os mais novos puderem aprender e perceber as espécies autóctones, trabalhar e mexer na terra, perceber qual a diferença entre as sementes”, será também criada uma estação de lazer com um pequeno campo de relva que “permite estar lá, relaxar e fazer um piquenique” ou ainda um outro de observação de animais, onde serão criados nichos com água, no qual o “objetivo é trazer os animais ali para beberem água e ao mesmo tempo os podermos observar”.

Para além disto, todo circuito de manutenção será reestruturado, “vamos retirar parte de alguns equipamentos que já estão danificados” e irá ser criado um circuito pedonal. O número de entradas também será aumentado para que não se faça, única e exclusivamente, pelo acesso existente ao lado do complexo desportivo. Será feita uma entrada junto ao arruamento a sul do estádio que vai permitir ligar a Mata do Carrascal à zona desportiva do estádio e ao centro de saúde.

O projeto já foi elaborado e submetida candidatura a apoios, contudo ainda não foi aprovado. A presidente do Município refere que “há fortes expectativas de vir a ser aprovado, afinal temos todos os pareceres favoráveis”. Acrescenta ainda que esta “demora” se prende com o facto de as candidaturas se encontrarem muito atrasadas por parte da Comissão de Coordenação.

Sobre o terreno, o projeto será para implantar em toda a extensão da Mata. Há uma parcela que pertence à Santa Casa da Misericórdia e, nesse sentido, o Município contactou a SCMA para perceber se haveria possibilidade de adquirir ou usufruir do espaço. “A Santa Casa não manifestou qualquer inconveniência, no entanto irá proceder, de acordo com os seus estatutos, à melhor forma de nós podermos usufruir do mesmo”, explica Célia Marques. Encontrando-se em espaço Rede Natura e pertencendo à mancha do equipamento da Mata do Carrascal, a autarca considera que será muito difícil algum dia haver ali alguma intervenção que não seja para este propósito, pelo que “julgo que a Santa Casa será bastante recetiva a esta intervenção, sendo uma mais-valia para todos”.

Quando questionada sobre os possíveis custos deste projeto, a autarca refere que ainda é “muito cedo para falar nisso. Está em elaboração o projeto de execução e apenas quando o mesmo estiver concluído é que teremos valores mais concretos”.

Ana Catarina de Oliveira