“Boneca dá... dádá...”

... o quê? Não sei!... Mas que as há, há. Ah!... na estrada de acesso a (e saída de) Alvaiázere, “sorte em sentarem-me aqui”... ao abandono.