Opinião

Sempre que um ano termina, é inevitável e recomendável uma retrospectiva. Dois mil e dezassete foi marcante pela negativa, face aos trágicos incêndios ocorridos, alguns muito perto do nosso concelho. Os dias 17 de Junho e 15 de Outubro ficarão registados para sempre na memória nacional, pelos piores motivos, esperando que nunca mais se repitam, aliás, é o mínimo que se exige ao Estado.

Se o estado tem falhado, também nós enquanto cidadãos temos falhado e muito.

Somos responsáveis pelo desordenamento florestal, pela falta de limpeza dos terrenos em especial em voltas das nossas habitações, não nos preparamos para este tipo de acontecimentos e quando assim é, é impossível às forças que têm como missão a nossa salvaguarda e a dos nossos bens por si só, estar em todo o lado.

NOITE DE ANJOS

O carro, vagarosamente, percorria a estrada que serpenteava a serra, enquanto os velhos faróis cortavam, com dificuldade, as neblinas que bafejavam os vales. As árvores, vestidas de branco, pareciam fantasmas que, aos olhos do petiz, abriam a porta ao mundo da fantasia.

Ao chegar a casa dos avós maternos, e após o primeiro impacto que lhe tolhera os sentidos, o alçapão da curiosidade abriu-se e, sempre ancorado no olhar do avô José, que não o largava por um segundo, depressa começou a esquadrinhar tudo em redor.

No início de Novembro realizou-se a 2ª Edição do Web Summit, considerada a maior cimeira tecnológica do mundo e que trouxe milhares de empreendedores ao nosso País. A Inteligência Artificial (IA) esteve em destaque e a Sophia e o Einstein, tiveram um diálogo impensável há poucos anos. Trata-se de dois robôs humanóides que dialogam, têm gestos e tiques de pessoas e que nos avisaram “que vão ficar com os nossos empregos”. Pois! Na indústria há décadas que os robôs substituíram as pessoas.

Verão de 2017. Portugal passou por um autêntico inferno.

Mortos, muitos mortos para um País tão pequeno. Destruição, muita destruição em tão pouco tempo.

Estes acontecimentos não podem cair no esquecimento como muitos querem fazer passar. É preciso tirar ilações das falhas do nosso sistema e acima de tudo colmatá-las.

Começo pelo que melhor conheço. Os Bombeiros.

É necessário mais profissionalização neste setor estratégico para a segurança e salvaguarda das pessoas e bens.

Começou a chover. Ainda bem. Depois de uma época de incêndios, que ceifou quase uma centena de vidas, esperemos que esta venha de mansinho. Sim, de mansinho, primeiro para não erodir as terras e, em segundo, de forma a evitar catástrofes como a ocorrida há 50 anos (em 1967) em que morreram mais de 500 pessoas vítimas da fúria das águas.

Que venha de mansinho e durante muito tempo!

Para já, se se mantiver, vai permitir que haja queima do madeiro, forma tradicional de, em muitas terras, festejar o Natal.

Caros leitores, eu entendo que é muito difícil estar tudo à vontade de todos. Mas enfim, há certas coisas que deveriam levar uma certa apreciação. Tenho acompanhado nos jornais a tomada de posse dos governantes que ultimamente têm tomado conta das Câmaras e Juntas de Freguesia, resultado das eleições de Outubro. E, tenho verificado que é muita gente a tomar conta dos cargos políticos. É tudo a mandar ou querer mandar, quando antigamente eram muito menos e as coisas corriam sobre esferas.

Ainda com as feridas de Pedrógão por sarar, nova tragédia assombrou o País, neste Outubro escaldante. Temperaturas elevadas, em véspera de chuva anunciada, empurraram o País para um autêntico inferno, em mais uma noite de terror, com dezenas de mortes. Repetição impensável. Confrontações díspares. Pinhais e eucaliptos a mais, agricultura a menos. Aquecimento global e fenómenos extremos. A violência das chamas e a fragilidade do ataque. A brutalidade e o desespero. Com erros e culpas da estrutura Estado. Outros “boys”, menos competência. Uma coisa é a realidade, outra é a querela política.

“Outubro quente traz o diabo no ventre.” É assim que o povo, na sua imensa sabedoria, sinaliza o mês que agora acaba.

Este ano, tem-se revelado extraordinário. Extraordinário pelas altas temperaturas e seca extrema em quase todo o país, pela tragédia que a todos enlutou e, até, pelo facto de, pela primeira vez, um primeiro-ministro de Portugal ser acusado de uma série de crimes.

Assim, lembrei-me de escrever um ou dois apontamentos sobre este mês que deve o seu nome à palavra latina octo (oito), dado que era o oitavo do calendário romano, que começava em março.

Escrever para um jornal ou para discursar é preciso estar bem-disposto e bem inspirado, o que nem sempre é oportuno. O que acontece neste momento comigo.

Há dias ouvi umas coisas na televisão e logo me inspirei no que havia de escrever para o nosso Alvaiazerense, mas, como não peguei de imediato no lápis e não aproveitei a ideia, a inspiração desapareceu.