Opinião

Um famoso escritor espanhol, há tempos, numa entrevista a uma revista portuguesa, chocou-nos com “o mundo é um sítio perigoso, cheio de filhos da puta”. A recente aventura dos 13 jovens tailandeses que ficaram encurralados numa caverna, mostrou como é grande a solidariedade mundial e como pode mobilizar quereres e vontades por objectivos nobres. O mundo sofreu e acabou por suspirar de alívio com o final feliz. Este “sítio perigoso” pode ter coisas muito más, mas também tem coisas belas e comoventes que nos fazem chegar as lágrimas aos olhos.

Foi com tristeza e consternação que recebi a notícia do falecimento do Sr. Dionísio.

Mais um Bom Homem que segue o caminho na vida eterna e que nos deixa um legado que muito enriqueceu Alvaiázere nos últimos anos, nomeadamente no capítulo cultural e social, num trabalho sempre em prol da comunidade.

Como exemplo, o Sr. Dionísio fundou e presidiu o Grupo Coral “Alva Canto” que promove a Cultura no nosso Concelho de forma ímpar, desenvolvendo atividades ao longo do ano que preenchem a agenda cultural e recreativa de Alvaiázere.

Algures, na internet, encontrei uma publicação, mais propriamente a Portaria do Diário da Republica nº 133 de 7 de junho de 1912, secção de avisos e anúncios oficiais.

Aqui fica, pretendendo ser um pequeno subsídio para a história de Alvaiázere. Nela se constata que a freguesia de Almoster pertenceu ao concelho de Ansião.

Também são referidas algumas pessoas que fazem parte da história de Alvaiázere, como é o caso de Policarpo Marques Rosa, notário, escritor, arquiteto, investigador, político e jornalista, entre outras atividades.

Nesta coluna, mensalmente, tentamos destacar o que de mais relevante sucede à escala mundial, nacional e local. É evidente que a subjectividade é determinante na escolha, e o que pode ser marcante para nós, poderá não ser para o caro leitor. Também não é garantido o rigoroso cumprimento em todas escalas, seja por falta de tema, ou de espaço ou na maioria dos casos, de inspiração.

Tenho que dizer que no meio de um junho tão triste (até as exibições da seleção não ajudam), a cerimónia do dia do Concelho foi um oásis em Alvaiázere.

Muito bom discurso da Presidente da Câmara, dois artistas cá da Terra com boa música e a distinção das Associações do Concelho com mais de 50 anos a servir de mote.

Agora fica a questão. Com o fim da FAFIPA, justifica-se o dia do Concelho ser a 13 de junho? Ou deveria tomar a forma do antigamente e passa a ser na quinta feira da Ascensão?

O escritor Miguel Torga, no seu livro Novos Contos da Montanha, deunos a conhecer o Alma Grande, personagem criada a partir de uma outra personagem lendária, o denominado Abafador.

O Abafador, no tempo dos Cristãos Novos, judeus cristanizados à força, era chamado pela família para acabar com a agonia dos moribundos e, ao mesmo tempo, ao abreviar-lhes os últimos momentos, evitava que o rito cristão fosse imposto.

Pela sua função social, era alguém muito prestigiado e muito respeitado na comunidade, pois as pessoas achavam que ele fazia um favor à sociedade.

Para o mês que agora corre à minha mente não tem ocorrido muitas versões sobre as quais me debruçaria. Mas, no entanto, verifico que cada vez vejo nos jornais diários deste País, tanta e tanta coisa que até fico admirado como há certos cavalheiros e, a ser verdade o que neles consta, não têm vergonha de se apresentarem diante do povo, como nada fosse com eles e quererem mostrar que são honestos. Mas enfim...

Nos finais de Maio, fomos autenticamente “bombardeados” com mensagens relativas ao Regulamento Geral de Protecção de Dados (RGPD). Genericamente estas novas leis destinam-se a defender a privacidade dos cidadãos, no tal mundo, cada vez mais global, que através do marketing digital, nos “assalta” frequentemente com telefonemas, mensagens e emails, com infinitas e variadas propostas.

Depois de dar ouvidos à população, produtores e visitantes, o executivo (e bem refira-se) decidiu transferir o Festival Gastronómico “Alvaiázere Capital do Chícharo” para a data de onde nunca devia ter saído (no 1º fim-de-semana de outubro), de modo a que a conhecida leguminosa possa ser degustada na sua altura própria de degustação.

Foram sensíveis aos testemunhos recolhidos, e até ao inquérito realizado pelo Jornal “O Alvaiazerense” e alteraram o certame que mais visitantes traz a Alvaiázere para a sua data inicial.

Vários estudos indiciam que, num futuro próximo, haverá uma grande transformação no mundo do trabalho, com redução do número de empregados e desaparecimento de muitas profissões, algumas das quais insuspeitas, como médico, professor ou advogado. Muitas pessoas ainda não terão tomado consciência desta realidade, fruto dos avanços tecnológicos cada vez mais céleres.

Dir-me-ão que o desaparecimento de algumas profissões faz parte do avanço normal das sociedades, pois há cem anos, adueiro, aguadeiro, varina, carvoeiro, entre outras, eram profissões indispensáveis.